Image Not Found On Media Library
Image Not Found On Media Library

01

Proporcionando um ambiente ideal para descanso e lazer da família e para convenções, o São Moritz combina hospitalidade e diversão dos tradicionais hotéis-fazenda, com as indispensáveis comodidades da hotelaria contemporânea.

Com 63 apartamentos, centro de convenção, atividades de lazer, sala de ginastica, piscinas aquecidas, quadras esportivas, ‘fazendinha’ com diversos animais e muito mais. Isso tudo em meio a jardins, lagos e caminhos floridos, no verde da mata atlântica, com um milhão de metros quadrados a 1100 metros de altitude.

Com o clima temperado da Serra e um atendimento acolhedor: é assim o Hotel Fazenda São Moritz, com seu estilo suíço de hospedar.

02

Um pouco da nossa história.

Final dos anos 30 ou começo dos anos 40. De certo, o mundo está em guerra. E o casal de suíços Arthur e Martha Vogts está no Brasil. E nesse momento percorre uma sofrível estrada de terra que liga Friburgo a Teresópolis. No entanto, um temporal impede que completem o percurso e Arthur e Martha são obrigados a procurar abrigo no mínimo vilarejo de Vieira – que fica exatamente no meio dessa estrada.

Sr. Custódio, pequeno comerciante local, acolhe os europeus. A chuva passa, mas o casal resolve explorar a região. Ficam 4 dias. Encantam-se com a paisagem – com uma grande montanha em especial que parece ter sido transportada desde sua terra natal. Mas os Vogts são ainda tocados pelo clima ameno e pela tocante hospitalidade dos moradores de Vieira.
Os Vogts ficam. Escolhem um terreno privilegiado – amplo, plano, com nascentes de água e de cara para a tal montanha transplantada da Suiça!
Em 08 de Janeiro de 1944, Arthur e Martha inauguram o Hotel São Moritz. O nome tomam de adorável comuna no cantão suíço dos Grisões. O hotel – um imponente chalé suíço cercado de jardins – tem 16 quartos. Engenhoso, Arthur também projeta um lago que gera a luz inexistente na região. Pensando em Martha, constrói uma casa para eles em frente ao hotel – também de estilo suíço, apenas menor. (A casa dos Vogts é o hoje conhecida como o chalé A.)

03

À inauguração comparecem autoridades

políticas e militares, dentre elas Ernani do Amaral Peixoto. A ocasião é celebrada com uma corrida de cavalos em torno do hotel – uma tradição suíça.
Em seus primeiros anos de existência, o Hotel São Moritz recebia nas férias muitos estrangeiros que sofriam com o verão escaldante e úmido do Rio de Janeiro. Ou mesmo visitantes ilustres, artistas europeus em excursão como a soprano alemã Erna Sack.

Em 1955 – ano em que compra o São Moritz – Emílio já era um hoteleiro atuante e importante nas conquistas de sua classe, dentre outras contribuições foi fundador e presidente da ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis). Mas acima de tudo, Emílio era um amigo como poucos, uma conversa sem igual e um vocacionado na arte de receber à brasileira – de forma afetuosa, acolhedora, descontraída.
Na década de 60 e 70, o São Moritz vira o destino favorito dos recém-casados. É o hotel com seus chalés suiços e deslumbrante jardim é perfeito para lua-de-mel: isolado, tranqüilo e romântico.

Mas a guerra acabou. O tempo passou. E o casal Vogts entendeu que era hora de vender seu pedaço de Suiça no Brasil. E venderam para um brasileiro.
O brasileiro era Emílio Lourenço de Souza, dono do Argentina Hotel da Rua Cruz Lima, no bairro do Flamengo que, entre outros méritos, entre as décadas de 60 e 70, abrigava a concentração do Botafogo de Jairzinho, Gerson, Afonsinho e outros craques.

04

Mas os casais desse tempo tiveram filhos, e depois netos. E tinham vontade de voltar com suas famílias expandidas ao hotel da lua-de-mel. E assim o São Moritz virou o hotel da família. Gerações e gerações trazem suas crianças para conhecer o hotel onde vieram recém-casados ou onde passaram sua infância.
E o mesmo acontece com quem trabalha no hotel. Hoje já os netos, em alguns casos, os bisnetos daquele mesmo povo acolhedor de Viera que abrigou o casal Vogts da chuva – ainda são eles que recebem os hóspedes. Os filhos e netos do Seu Claudio que estava lá antes do Seu Emílio chegar, os Lima descendentes dos irmãos Jorge, Mingo e Malvino, os netos do Seu Argemiro que ajudou na colocação das primeiras pedras na obra do São Moritz, ou ainda os filhos e netos do Seu Hygino o jardineiro que plantou as primeiras flores de nosso jardim, entre outros que provavelmente trabalham há mais de 10 anos no hotel.

São essas mesmas famílias de funcionários que hoje dividem seu conhecimento e ajudam a formar novos profissionais na Escola de Hotelaria destinada a jovens de baixa renda que o São Moritz mantém em Vieira.

Hoje o Hotel São Moritz tem 63 apartamentos, centro de convenção, atividades de lazer, sala de ginástica, piscinas aquecidas, quadras esportivas, cavalos, e muito mais em meio a jardins, lagos e caminhos floridos. Cenário de filmes, seriados, comerciais e novelas mas acima de tudo e casa de campo para milhares de famílias.

A estrada, faz tempo, é asfaltada. Mas o destino ainda é o mesmo – um abrigo amigável cercado por belas montanhas. Um pedaço da Suiça que é do hóspede também.

O Hotel | São Moritz